CAMINHOS PRIORITÁRIOS PARA POLÍTICAS DE DROGAS QUE FUNCIONAM


Colocar a saúde e segurança das pessoas em primeiro lugar
Em vez da proibição prejudicial e punitiva, as políticas deveriam priorizar a salvaguarda da saúde e segurança das pessoas. Isto significa tratar a proteção da comunidade, a prevenção, a redução de danos e o tratamento como alicerces das políticas de drogas.

Garantir acesso a medicamentos essenciais e de controle da dor
O sistema internacional de controle de drogas está falhando em garantir o acesso igualitário a medicamentos essenciais como a morfina e a metadona, causando dor e sofrimento desnecessários. Os obstáculos políticos que estão impedindo Estados-Membros de garantir o suprimento adequado de tais medicamentos devem ser removidos.

Acabar com a criminalização e o encarceramento de pessoas que usam drogas
Criminalizar pessoas por posse e uso de drogas é contraproducente e um desperdício. Aumenta os danos à saúde, estigmatiza populações vulneráveis e contribui para a explosão da população carcerária. A descriminalização do usuário é um pré-requisito de qualquer política de drogas genuinamente focada em saúde.
Concentrar as ações das forças da lei sobre o tráfico de drogas e o crime organizado
Um melhor direcionamento da ação das forças da lei é necessário para reduzir os efeitos nocivos dos mercados ilegais de drogas e garantir a paz e a segurança. Os governos deveriam deixar de priorizar a perseguição a infrações menores e não violentas e direcionar estes recursos aos elementos mais problemáticos e violentos deste comércio.

Regular mercados de drogas para colocar governos no controle
Deve-se buscar a regulamentação das drogas porque elas apresentam riscos, não porque são seguras. Diferentes modelos de regulamentação podem ser aplicados para diferentes drogas, de acordo com os riscos que oferecem. Deste modo, a regulação pode reduzir danos de saúde e sociais e diminuir o poder do crime organizado.
 

REGULAR MERCADOS DE DROGAS PARA COLOCAR GOVERNOS NO CONTROLE


Deve-se buscar a regulamentação das drogas porque elas apresentam riscos, não porque são seguras. Diferentes modelos de regulamentação podem ser aplicados para diferentes drogas, de acordo com os riscos que oferecem. Deste modo, a regulação pode reduzir danos de saúde e sociais e diminuir o poder do crime organizado.

Different drugs, different degrees of regulation.